11 outubro 2014

Os poemas de Cecília Meireles




Olá! Depois de uma semana de provas exaustiva me restou alguns dias de descanso pra faculdade, por isso até tive tempo de ler livros. Ler livros não jurídicos é uma dificuldade atualmente. Enfim, resolvi ler poemas de Cecília Meireles para minha sorte.

Da leitura do livro "Cecília Meireles - Maria Fernanda Seleção" retirei várias estrofes incríveis. Cecília Meireles pra quem inexplicavelmente não conhece ou nunca ouviu falar foi uma poetisa brasileira, considerada uma das mais importantes do país. Já Maria Fernanda, quem selecionou os poemas para o livro é uma de suas filhas.

O primeiro poema que mais me apaixonei foi "Até quando terás, minha alma, esta doçura". Feito em 1955 é lindo em cada verso, e diz:
"Até quando terás, minha alma, esta doçura,
este dom de sofrer, este poder de amar,
a força de estar sempre - insegura - segura
como a flecha que segue a trajetória obscura,
fiel ao seu movimento, exata em seu lugar...?"
Encontrei outros versos e estrofes apaixonantes como em "Discurso": 
"Ah! Se nem eu sei quem sou,
como posso esperar que venha alguém gostar de mim?"
E como em "4º Motivo da rosa":
"Não te aflijas com a pétala que voa:
também é ser, deixar de ser assim."
E, finalmente como no poema "Desenho":
"Somos sempre um pouco menos do que pensávamos.
Raramente, um pouco mais." 
Enfim, há tantos poemas lindos feitos por Cecília. Reais e de fácil interpretação, nada feito com palavras difíceis, nada surreal demais, diria que leve, dosado na medida certa. Perfeito ao tentar não ser.

Por um mundo com mais leitores este post foi criado.